Sobre o Consuper

O Conselho Superior do IFC é o órgão máximo da instituição, o qual possui caráter consultivo e deliberativo e é composto por:

A Reitora, como presidente;
Representantes de servidores docentes;
Representantes do corpo discente;
Representantes dos servidores TAEs;
Representantes dos egressos;
Representantes da sociedade civil;
Representante do Ministério da Educação;
Representação dos diretores-gerais dos Câmpus.

Compete ao Conselho Superior:

  1. aprovar as diretrizes para atuação do IFC e zelar pela execução de sua política educacional;
  2. deflagrar, aprovar as normas e coordenar o processo de consulta à comunidade escolar para escolha do Reitor e dos Diretores-gerais de cada câmpus, do IFC, em consonância com o estabelecido nos artigos 12 e 13 da Lei nº. 11.892/2008;
  3. aprovar o Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) e apreciar a proposta orçamentária anual do Instituto e de cada câmpus, após a discussão da matéria junto à respectiva comunidade acadêmica;
  4. aprovar o Projeto Político Institucional (PPI), bem como os regulamentos internos, cuja abrangência inclui todos os câmpus;
  5. aprovar normas relativas à acreditação e à certificação de competências profissionais, nos termos da legislação vigente;
  6. autorizar o Reitor a conferir títulos de mérito acadêmico;
  7. apreciar as contas do exercício financeiro e o relatório de gestão anual, emitindo parecer conclusivo sobre a propriedade e regularidade dos registros;
  8. deliberar sobre taxas, emolumentos e contribuições por prestação de serviços em geral a serem cobrados pelo IFC;
  9. autorizar a criação, alteração curricular e extinção de cursos no âmbito do IFC, bem como o registro de diplomas;
  10. aprovar a estrutura administrativa e o regimento geral do IFC, observados os parâmetros definidos pelo Governo Federal e legislação específica e;
  11. deliberar sobre a criação, desdobramento, incorporação, fusão e extinção de unidades e sobre a agregação de estabelecimentos de ensino, bem como a sua criação, transformação de regime jurídico ou extinção de órgãos suplementares, na forma da legislação.
  12. deliberar sobre questões submetidas a sua apreciação.